Licitar

Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

CGU e TCU fortalecem a política anticorrupção de acordos de leniência

Acordo de Cooperação Técnica representa um marco para a harmonização da atuação entre os órgãos no que se refere à negociação e celebração de acordos de leniência

Em sessão plenária do Tribunal de Contas da União (TCU), nesta quarta-feira (21), o ministro da Controladoria-geral da União (CGU), Vinícius de Carvalho, celebrou a decisão da Corte que aprovou, por unanimidade, a regulamentação do Acordo de Cooperação Técnica (ACT), firmado entre a CGU, o TCU, a Advocacia-Geral da União (AGU), e o Ministério da Justiça (MJ), com a coordenação do Superior Tribunal Federal (STF), no que se refere à negociação e celebração de acordos de leniência da Lei nº 12.846/2013.

“Nós vamos atingir um objetivo comum de criar um sistema de combate de enfrentamento à corrupção no Brasil, um sistema com ambiente de integridade de harmonia e de convergência, dentro da dinâmica de diversidade entre as instituições. Quando nós assinarmos um acordo de leniência, esse acordo será assinado no ambiente de previsibilidade, de segurança jurídica e que vai incentivos para que as empresas nos procurem e realize novos acordos de leniência.”

A assinatura do ACT representa um marco para a harmonização da atuação entre os órgãos no que se refere à negociação e celebração de acordos de leniência da Lei nº 12.846/2013.

Diretrizes do Acordo

O Acordo representa o início de um diálogo positivo entre esses órgãos, ao estabelecer princípios, diretrizes e ações operacionais que balizam a atuação conjunta e a colaboração dessas agências no enfrentamento à corrupção. Entre eles, estão:

• Articulação interinstitucional, com a contínua e permanente cooperação mútua;
• Respeito às atribuições e competências de cada um dos partícipes;
• Inaplicabilidade de sanções adicionais àquelas previstas no acordo de leniência ao colaborador, pelos demais partícipes;
• Descrição da forma como o TCU acompanha as negociações dos acordos de leniência e atua após a sua celebração;
• Aproveitamento das provas colhidas com a colaboração da pessoa jurídica por todas as instituições envolvidas, para alavancar a capacidade investigativa do Estado.

Nesse sentido, a norma traz maior previsibilidade para as empresas que querem colaborar, deixando claro qual é o papel do TCU nas negociações dos acordos. A iniciativa traz mais segurança na medida em que prevê que o TCU não irá sancionar as empresas colaboradoras, mas fica preservada a competência do Tribunal de identificar eventuais danos não endereçados nos acordos. Nesse caso, a norma também avança para dizer que o TCU levará em consideração os valores já pactuados no acordo e não haverá dupla cobrança.

Consensualidade e segurança jurídica

O afinamento da atuação entre o Tribunal e a CGU, fortalece a política de acordos de leniência anticorrupção, proporcionando maior previsibilidade e segurança jurídica às empresas que procuram a CGU e a AGU para negociar esses acordos. Com maior segurança jurídica, aumentam os incentivos para que empresas celebrem acordos, o que amplifica a capacidade de detecção e sanção de atos de corrupção.

Para o ministro da CGU, Vinícius Marques de Carvalho, o acordo busca a promoção da consensualidade e a abertura de caminhos modernos e eficientes para a gestão e o controle públicos. “Faremos a nossa parte, assegurando que o instrumento se torne uma ferramenta ainda mais poderosa para detecção e dissuasão na política anticorrupção brasileira”, afirmou.

O Tribunal facultou à CGU a participação no processo de elaboração da norma, por meio da abertura para o diálogo ao longo de sua elaboração e para sugestões de aprimoramento, o que demonstra a concretização do espírito de colaboração que o próprio ACT já anuncia.

“O caminho é, a meu ver, que as autoridades públicas envolvidas atuem com base em um compromisso de diálogo permanente, de racionalização, e de cooperação e coordenação das suas competências, a fim de permitir um constante aperfeiçoamento de nossas ações”, ressaltou Vinícius de Carvalho.
Segundo o ministro da CGU, cada uma das instituições tem especialidades e capacidades que podem ser aprimoradas se desenvolvidas de maneira complementar. “Para que coexistamos e liberemos recursos humanos e materiais para amplificar nossa capacidade de atuação, precisamos agir de maneira coordenada, aprimorando a atuação estatal no combate à corrupção”, concluiu.

Comente o que achou:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas

CNM alerta para mudanças no CBO de agentes comunitários de saúde

CNM alerta para mudanças no CBO de agentes comunitários de saúde

Nos últimos dias, a área técnica de Saúde da Confederação Nacional de Municípios (CNM) vem recebendo ligações a respeito de dúvidas por conta da Portaria 1.546 da Secretaria de Atenção Especializada à

Vai à sanção projeto de lei que altera o Estatuto da Cidade reforçando a mobilidade urbana nos estudos de impacto de vizinhança

Vai à sanção projeto de lei que altera o Estatuto da Cidade reforçando a mobilidade urbana nos estudos de impacto de vizinhança

O Congresso Nacional enviou para sanção presidencial o Projeto de Lei 169/2020, que reforça no Estatuto da Cidade - Lei federal 10.257 de 2001 - a análise da Mobilidade Urbana nos Estudos de

Aprovado pela Câmara, seguro obrigatório de veículos será debatido no Senado

Aprovado pela Câmara, seguro obrigatório de veículos será debatido no Senado

Aprovado pela Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 233/2023, que cria seguro obrigatório para cobrir danos pessoais causados por veículos automotores em vias terrestres ou por suas cargas,

Diário Oficial da União regulamenta Programa de EquipaDH+

Diário Oficial da União regulamenta Programa de EquipaDH+

O Diário Oficial da União da quinta-feira, 4 de abril, trouxe a publicação da Portaria 222/2024. A medida regulamenta o Programa de Equipagem, de Modernização da Infraestrutura e de Apoio ao

Prazo para disposição final ambientalmente adequada de rejeitos encerra em agosto; saiba mais informações sobre o tema

Prazo para disposição final ambientalmente adequada de rejeitos encerra em agosto; saiba mais informações sobre o tema

Termina no dia 2 de agosto deste ano o prazo de encerramento dos lixões para os Municípios com população inferior a 50 mil habitantes. Na prática, a legislação determina que

Marco regulatório do Sistema Nacional de Cultura é sancionado

Marco regulatório do Sistema Nacional de Cultura é sancionado

O Diário Oficial da União de sexta-feira, 5 de abril, trouxe a sanção da Lei 14.835/2024. Assinada pelo presidente da República, a medida institui o marco regulatório do Sistema Nacional de Cultura