Licitar

Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

Tesouro orienta sobre recomposição do FPM; CNM alerta dúvidas sobre a vinculação aos mínimos

No último dia 30 de novembro, os Municípios receberam a recomposição pelas perdas do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). No entanto, os gestores municipais se queixaram da falta de clareza da Lei Complementar (LC) 201/2023, que regulamentou a legislação. Diante da situação, a Confederação Nacional de Municípios (CNM) pediu cautela aos gestores no uso dos recursos até que houvesse esclarecimentos definitivos pelo órgão regulador sobre a interpretação quanto à aplicação dos índices constitucionais e legais referentes à Educação e Saúde.


Nesta quarta-feira, 6, a Secretaria do Tesouro Nacional (STN) publicou a Nota Técnica SEI 3241/2023 MF, referente a orientações dos recursos decorrentes da recomposição, que foram recebidos nas contas públicas como Apoio Financeiro aos Municípios (AFM).

Assim, a CNM destaca algumas orientações constantes na NT. O Apoio financeiro deve ser registrado nos seguintes moldes:
Natureza da Receita: 1.7.1.9.99.0.0 – Outras Transferências de Recursos da União e de suas Entidades.
Fonte ou Destinação de Recursos: 711 – Demais Transferências Obrigatórias não Decorrentes de Repartições de Receitas.
Incidirá 1% da contribuição para o PIS/PASEP.
Fundeb: Não incidirá, conforme informado em nota técnica.
Duodécimo: não comporá base de cálculo das transferências ao poder legislativo, pois esta receita não está inclusa no rol taxativo exposto no art. 29-A da Constituição Federal de 1988.


Dúvidas persistem
A CNM chama atenção para as demais vinculações constitucionais e legais relativas à saúde e à educação, tendo em vista que a dúvida persiste para os Entes. A Nota Técnica apenas elencou no parágrafo 18 que “as fontes de recursos para o financiamento das ações de saúde e educação dos Estados e Municípios encontram-se previstas na Constituição Federal e legislação específica.” 


A CNM entende que, neste contexto, o posicionamento do órgão regulador ainda não foi suficiente para dar segurança jurídica ao gestor, uma vez que não traz expressamente a natureza do recurso. Na visão da entidade, os argumentos mais razoáveis até o momento são pela interpretação análoga aos demais auxílios financeiros já concedidos em anos anteriores aos Entes, onde se sustenta que o repasse não decorre de origem de impostos ou transferências constitucionais e legais decorrentes de impostos e, dessa forma, os valores não estariam compreendidos na base de cálculo que compõem os mínimos obrigatórios a serem cumpridos em educação e saúde. 


A STN informou que ainda aguarda posicionamento da Procuradoria da Fazenda Nacional (PGFN) sobre a interpretação das vinculações, mas diante da necessidade e da celeridade que os Municípios devem dar ao uso desse recurso, e por prudência, a CNM segue orientando cautela e que sejam priorizados pagamentos que possam compor para os limites nas proporções mínimas exigidas ASP’S (15%) e MDE (25%). 


A entidade lembra ainda que constitui boa prática reservar ao menos 40% do montante recebido da recomposição em caixa até o comunicado oficial, de maneira a evitar qualquer intercorrência resultante de interpretação divergente por parte dos órgãos de controle externo. A Confederação continua a recomendar a consulta prévia formal ao tribunal a qual o Município encontra-se vinculado para obter informações do controle externo sobre o posicionamento relativo à matéria.

Da Agência CNM de Notícias

Comente o que achou:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas

Ampliado prazo para atender diligências do Pacto Nacional pela Retomada de Obras da Educação

Ampliado prazo para atender diligências do Pacto Nacional pela Retomada de Obras da Educação

Atenção gestores municipais: foi alterado o prazo para atendimento das diligências técnicas iniciais realizadas pelo Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação- FNDE, no âmbito do Pacto Nacional pela Retomada de

Prazo de adesão ao Simples Nacional não terá prorrogação em 2024

Prazo de adesão ao Simples Nacional não terá prorrogação em 2024

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) informa que não haverá prorrogação no prazo para solicitar adesão ao Simples Nacional em 2024. A entidade esclarece ainda que – devido a falhas

Prazo para solicitar a retomada e reativação de obras na área da saúde se encerra em março 

Prazo para solicitar a retomada e reativação de obras na área da saúde se encerra em março 

Manifestação de interesse no programa deve ser feita por estados e municípios no site InvestSUS. Cerca de de 5,5 mil obras na área da saúde estão paralisadas e podem retornar

CGU e TCU fortalecem a política anticorrupção de acordos de leniência

CGU e TCU fortalecem a política anticorrupção de acordos de leniência

Acordo de Cooperação Técnica representa um marco para a harmonização da atuação entre os órgãos no que se refere à negociação e celebração de acordos de leniência Em sessão plenária

Tribunal aprova percentuais da Cide-Combustíveis para 2024

Tribunal aprova percentuais da Cide-Combustíveis para 2024

O TCU decidiu fixar o percentual de participação de cada estado, município e DF na distribuição dos valores da contribuição de intervenção no domínio econômico sobre combustíveis O Tribunal de

CGU e PF apuram desvios de recursos da merenda escolar em município piauiense

CGU e PF apuram desvios de recursos da merenda escolar em município piauiense

Operação Prato Vazio investiga fraude a licitações, inexecução contratual e lavagem de dinheiro com repasses do PNAE em Bom Princípio do Piauí Prejuízo em razão do pagamento por gêneros alimentícios