Licitar

Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

CGU aplica e mantém sanções anticorrupção a quatro empresas envolvidas em atos ilícitos

Investigações apontaram aquisição de informações sigilosas extraídas irregularmente de bancos de dados da Receita Federal do Brasil e intermediação de pagamento de propina a agente público da Amazul. Multas superam R$ 2 milhões.

Controladoria-Geral da União (CGU) aplicou e manteve sanções de diferentes naturezas junto a quatro empresas envolvidas em atos ilícitos contra a Administração Pública. As multas pecuniárias superam R$ 2 milhões. As decisões do ministro, Vinícius de Carvalho, foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (20/6). As investigações apontaram para a aquisição de informações sigilosas extraídas irregularmente de bancos de dados da Receita Federal do Brasil e a intermediação de pagamento de propina a agente público da empresa estatal Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S/A (Amazul). As multas superam R$ 2 milhões. 

Conheça os termos das decisões de hoje

Aquisição de informações sigilosas irregularmente extraídas de bancos de dados da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil

A CGU indeferiu pedido de reconsideração formulado pela empresa Prime do Brasil Importação, Exportação e Comércio de Produtos Químicos LTDA, entendendo que os argumentos apresentados no recurso não foram capazes de justificar a alteração da decisão recorrida. Dessa forma, foi mantida a decisão original, de 29 de setembro de 2022, por meio da qual foram aplicadas à Prime do Brasil as sanções de multa no valor de R$ 1.929.171,24 e publicação extraordinária da decisão condenatória, com fundamento no artigo 6º, incisos I e II, da Lei nº 12.846/2013.

A condenação é resultado de Processo Administrativo de Responsabilização (PAR) instaurado pela CGU em razão de fatos apurados na chamada Operação Spy, deflagrada de maneira conjunta pela Polícia Federal, pela Receita Federal e pelo Ministério Público Federal. A empresa foi sancionada por ter adquirido indevidamente relatórios com informações sigilosas obtidas de forma ilegal de bases da Receita Federal do Brasil; ter subvencionado a prática de atos lesivos e, também, por ter se utilizado de pessoa jurídica para dissimular a identidade dos beneficiados dos atos ilícitos praticados, incidindo nos atos lesivos tipificados no art. 5º, I, II e III, da Lei Anticorrupção.

No caso das empresas CMQ Brasil Importação, Exportação e Comércio de Produtos Químicos Ltda., Companhia de Metais e Químicos Brasil Representações Ltda. e Qualytex Representações Têxteis Ltda., o ministro da CGU, acatando solicitação de resolução consensual e colaborativa das empresas, decidiu pela aplicação de penas de multa nos valores deR$ 53.082,66, R$ 376,71 e R$ 20.813,45, respectivamente. 

As decisões, nesse caso, tiveram amparo no reconhecimento pelas empresas de sua responsabilidade objetiva em relação a atos lesivos revelados na Operação Spy, relativos à aquisição de informações sigilosas sobre comércio exterior irregularmente extraídas por servidores públicos federais de bancos de dados de sistemas internos da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil, mediante pagamentos a empresa intermediária.

Pagamento de propina a agente público da empresa estatal Amazul

Em outro caso, o ministro da CGU avaliou pedido de reconsideração interposto pela JJ&RR Assessoria Técnica e Comercial Eireli, entendendo que os argumentos do recurso não foram capazes de justificar a alteração da decisão recorrida.

No PAR em questão restou apurado que a JJ&RR funcionou como intermediadora do pagamento de vantagens indevidas a empregado público federal da empresa estatal Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S/A (Amazul). A investigação teve início a partir dos fatos relatados em acordo de leniência celebrado pela CGU e Advocacia-Geral da União (AGU) com a empresa que se valeu da influência e intermediação do referido agente público na celebração de contratos públicos com o Centro Tecnológico da Marinha em São Paulo (CTMSP/Ministério da Defesa).

Dessa forma, foi indeferido o pedido de reconsideração apresentado pela JJ&RR, mantendo-se a decisão original, de 11 de outubro de 2022, por meio da qual foram aplicadas as seguintes sanções:

a) declaração de inidoneidade para licitar ou contratar com a Administração Pública;

b) multa, no valor de R$ 3.166,54; e

c) publicação extraordinária da decisão administrativa sancionadora, que deverá ser realizada às custas da própria apenada nos seguintes veículos: meio de comunicação de grande de circulação nacional; edital afixado no próprio estabelecimento da empresa, pelo prazo de 30 dias; e em seu sítio eletrônico, em destaque na página principal, pelo prazo de 30 dias.

Consequências  

No caso do julgamento convencional, não havendo recurso da decisão no prazo legal, a empresa será inscrita no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP) e no Cadastro de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS). Caso a empresa apresente pedido de reconsideração, a inscrição será procedida após a decisão do recurso. 

Já no caso de empresa julgada de maneira antecipada, ela terá o prazo de 30 dias para o recolhimento do valor da multa aos cofres públicos, que corre a partir da data da publicação da sanção, o que ocorreu ontem. Da mesma forma, a empresa poderá desde já ser inscrita no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP). 

Saiba mais

Em razão do descumprimento dessa lei e de outras normas anticorrupção, a CGU, desde 2016, em decorrência de processos de apuração de responsabilidade, já puniu 109 empresas, cujas penas superam R$ 813.062.407,24, e firmou acordos de leniência com 25 empresas, cujos pactos ultrapassam R$ 18.303.789.248,17. 

Os dados podem ser consultados no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP) e no Cadastro Nacional de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS), disponíveis no Portal da Transparência.

Para informações sobre as pessoas jurídicas que respondem a Processo Administrativo de Responsabilização perante a CGU, consulte o site corregedorias.gov e clique no banner “Empresas em Processo de Responsabilização de Entes Privados”. 

A CGU, por meio da Ouvidoria-Geral da União (OGU), mantém o canal Fala.BR para o recebimento de denúncias. Quem tiver informações sobre qualquer irregularidade poderá enviá-las por meio de formulário eletrônico. A denúncia pode ser anônima. Para isso, basta escolher a opção “Não identificado”.

Fonte: CGU Notícias

Comente o que achou:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas

CNM alerta para mudanças no CBO de agentes comunitários de saúde

CNM alerta para mudanças no CBO de agentes comunitários de saúde

Nos últimos dias, a área técnica de Saúde da Confederação Nacional de Municípios (CNM) vem recebendo ligações a respeito de dúvidas por conta da Portaria 1.546 da Secretaria de Atenção Especializada à

Vai à sanção projeto de lei que altera o Estatuto da Cidade reforçando a mobilidade urbana nos estudos de impacto de vizinhança

Vai à sanção projeto de lei que altera o Estatuto da Cidade reforçando a mobilidade urbana nos estudos de impacto de vizinhança

O Congresso Nacional enviou para sanção presidencial o Projeto de Lei 169/2020, que reforça no Estatuto da Cidade - Lei federal 10.257 de 2001 - a análise da Mobilidade Urbana nos Estudos de

Aprovado pela Câmara, seguro obrigatório de veículos será debatido no Senado

Aprovado pela Câmara, seguro obrigatório de veículos será debatido no Senado

Aprovado pela Câmara dos Deputados, o Projeto de Lei Complementar (PLP) 233/2023, que cria seguro obrigatório para cobrir danos pessoais causados por veículos automotores em vias terrestres ou por suas cargas,

Diário Oficial da União regulamenta Programa de EquipaDH+

Diário Oficial da União regulamenta Programa de EquipaDH+

O Diário Oficial da União da quinta-feira, 4 de abril, trouxe a publicação da Portaria 222/2024. A medida regulamenta o Programa de Equipagem, de Modernização da Infraestrutura e de Apoio ao

Prazo para disposição final ambientalmente adequada de rejeitos encerra em agosto; saiba mais informações sobre o tema

Prazo para disposição final ambientalmente adequada de rejeitos encerra em agosto; saiba mais informações sobre o tema

Termina no dia 2 de agosto deste ano o prazo de encerramento dos lixões para os Municípios com população inferior a 50 mil habitantes. Na prática, a legislação determina que

Marco regulatório do Sistema Nacional de Cultura é sancionado

Marco regulatório do Sistema Nacional de Cultura é sancionado

O Diário Oficial da União de sexta-feira, 5 de abril, trouxe a sanção da Lei 14.835/2024. Assinada pelo presidente da República, a medida institui o marco regulatório do Sistema Nacional de Cultura