Licitar

Generic selectors
Apenas correspondências exatas
Pesquisar no título
Pesquisar no conteúdo
Post Type Selectors
post

CGU aplica sanções anticorrupção a mais três empresas envolvidas em atos ilícitos

Investigações apontaram fraudes em contratos e pagamento de propina a servidor do extinto DNPM. Multas pecuniárias totalizam quase R$ 1,2 milhão

A Controladoria-Geral da União (CGU) aplicou sanções de diferentes naturezas junto a mais três empresas envolvidas em atos ilícitos na Administração Pública. As multas pecuniárias totalizam quase R$ 1,2 milhão. As decisões do ministro, Vinícius de Carvalho, foram publicadas no Diário Oficial da União (DOU) desta terça-feira (30/05).

As sanções decorreram de Processos Administrativos de Responsabilização (PAR) instaurados com base na Lei Anticorrupção (Lei nº 12.846/2013), inaugurados a partir de investigações distintas.

TERMOS DAS DECISÕES

Oferecimento de garantias falsas em contratos do Poder Executivo Federal

A CGU julgou os processos que concluíram pela responsabilização das empresas BMB Besty Merchand Bank Consultorias EIRELI e Baruc Investment Empresarial S.A. (Baruc Bank) por terem fornecido garantias falsas a empresa que venceu licitações realizadas pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), Ministério do Esporte e pelos antigos Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e Ministério da Integração Nacional.

O BMB Bank e o Baruc Bank não possuíam autorização do Banco Central para funcionarem como instituições financeiras, razão pela qual não poderiam ter emitido cartas de fiança bancária com o objetivo de assegurar a execução dos contratos públicos firmados. As irregularidades foram constatadas após apurações relativas às Operações “Tritão” e “Círculo Vicioso” deflagradas pela Polícia Federal.

Após devida instrução processual, a CGU decidiu pela aplicação, ao BMB Besty Merchand Bank Consultorias, das seguintes penalidades:

  1. multa no valor de R$ 1.113.675,00; e
  2. publicação extraordinária da decisão administrativa sancionadora, que deverá ser realizada às custas da própria apenada nos seguintes veículos: meio de comunicação de grande de circulação nacional; edital afixado no próprio estabelecimento da associação, pelo prazo de 45 dias; e em seu sítio eletrônico, em destaque na página principal do seu sítio eletrônico, pelo prazo de 30 dias.

Já ao Baruc Investment Empresarial (Baruk Bank) foram aplicadas as seguintes penalidades:

  1. multa no valor de R$ 8.437,45; e
  2. publicação extraordinária da decisão administrativa sancionadora, que deverá ser realizada às custas da própria apenada nos seguintes veículos: meio de comunicação de grande de circulação nacional; edital afixado no próprio estabelecimento da associação, pelo prazo de 45 dias; e em seu sítio eletrônico, em destaque na página principal do seu sítio eletrônico, pelo prazo de 30 dias.

As multas pecuniárias aplicadas foram estendidas ao patrimônio do sócio responsável pelas empresas, uma vez que ficou demonstrado o uso indevido da pessoa jurídica para acobertar a prática dos atos ilícitos.

Sobre o mesmo caso, ainda está em trâmite na CGU processo específico em relação à empresa vencedora da licitação, a qual apresentou as cartas de fiança falsas como garantia aos contratos públicos pactuados.

Pagamento de propina a ex-diretor do extinto Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM)

Em outro caso, investigação conduzida pela CGU evidenciou que o escritório de advocacia Jader Alberto Pazinato Advogados Associados intermediou o pagamento de propina ao ex-diretor da Diretoria de Planejamento e Arrecadação do antigo DNPM. O agente público era responsável por direcionar a fiscalização e favorecer municípios com vistas ao recebimento de compensação financeira (royalties) pela exploração de recursos minerais.

O Processo Administrativo de Responsabilização em questão decorreu de sindicância patrimonial instaurada pela Corregedoria-Geral da União em face do agente público envolvido. Após a investigação ficou comprovado que o escritório de advocacia ora responsabilizado, o qual prestava serviços de consultoria jurídica ao Município de Paraupebas (PA), repassou vantagens indevidas a empresa que pertence à esposa do ex-diretor do DNPM.

Após devida instrução processual, a CGU decidiu pela aplicação, ao referido escritório de advocacia, das seguintes penalidades:

  1. multa no valor de R$ 35.026,97; e
  2. publicação extraordinária da decisão administrativa sancionadora, que deverá ser realizada às custas da própria apenada nos seguintes veículos: meio de comunicação de grande de circulação nacional; edital afixado no próprio estabelecimento da associação, pelo prazo de 60 dias; e em seu sítio eletrônico, em destaque na página principal do seu sítio eletrônico, pelo prazo também de 60 dias.

A respeito do caso, em 19 de maio deste ano o ministro da CGU deferiu pedido de Julgamento Antecipado à Associação dos Municípios Mineradores de Minas Gerais e do Brasil (AMIG), que também foi responsabilizada pelo pagamento de vantagens indevidas a agentes públicos envolvidos no mesmo esquema (confira a decisão no DOU).

A CGU ainda conduz processo específico em relação a mais uma empresa envolvida no caso.

CONSEQUÊNCIAS

No caso das empresas julgadas mediante decisões de primeira consideração, não havendo recurso da decisão no prazo legal, as empresas terão 30 dias para recolherem os valores das multas aos cofres públicos, bem como para cumprirem as respectivas sanções de publicação extraordinária, por meio da publicação de extrato da decisão.

Adicionalmente, após o transcurso do prazo para apresentação de recursos, essas empresas serão inscritas no Cadastro Nacional de Empresas Punidas (CNEP) e, no caso de penalidades de declaração de inidoneidade e de impedimento do direito de licitar e contratar, também no Cadastro de Empresas Inidôneas e Suspensas (CEIS).

Caso as empresas apresentem pedido de reconsideração, o prazo para cumprimento das sanções será contado da decisão do recurso. Nesta hipótese, a inscrição no CNEP também só ocorrerá após a apreciação do pedido de reconsideração.

Em razão do descumprimento da Lei nº 12.846/2013 e de outras normas anticorrupção, a CGU, desde 2016, em decorrência de processos de apuração de responsabilidade, atingiu hoje a marca de 105 empresas punidas, cujas penas totalizam R$ 812.988.134,42, e firmou acordos de leniência com 25 empresas, cujos pactos somam R$ 18.303.789.248,17.

Fonte: CGU Notícias

Comente o que achou:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Postagens Relacionadas

Agricultores familiares de 322 Municípios receberão Garantia-Safra neste mês de abril

Agricultores familiares de 322 Municípios receberão Garantia-Safra neste mês de abril

Municípios dos Estados de Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Minas Gerais, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Sergipe foram contemplados com o Programa Garantia-Safra. Ao todo, 322 Entes locais

CGU apura desvio de recursos federais na prestação de serviços em Miguel Alves (PI)

CGU apura desvio de recursos federais na prestação de serviços em Miguel Alves (PI)

Operação 45 graus, com a Polícia Federal, investiga contratação de empresa de agente público do município para manutenção e conservação de ar-condicionado Controladoria-Geral da União (CGU) participa, nesta sexta-feira (19/04),

Atenção: prazo para envio da VTN se encerra dia 30 de abril

Atenção: prazo para envio da VTN se encerra dia 30 de abril

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) pede atenção aos gestores para a obrigatoriedade do envio das informações do Valor da Terra Nua (VTN) pelos Municípios, conforme a Instrução Normativa 1877/2019. O

CGU aplica sanções a envolvidos em negociação ilícita de registros sindicais no Ministério do Trabalho

CGU aplica sanções a envolvidos em negociação ilícita de registros sindicais no Ministério do Trabalho

Nove agentes públicos, à época altas autoridades dos quadros da Administração, receberam as penalidades de destituição do cargo que ocupavam e demissão Controladoria-Geral da União (CGU) aplicou sanções de destituição

Acordo de cooperação agiliza análise de editais de licitação pelo TCU

Acordo de cooperação agiliza análise de editais de licitação pelo TCU

Acesso a banco de dados do Ministério da Gestão e Inovação possibilita recorde de fiscalização e evita prejuízo potencial de R$ 670 milhões em 12 meses A parceria entre o Tribunal de

CNM alerta para mudanças no CBO de agentes comunitários de saúde

CNM alerta para mudanças no CBO de agentes comunitários de saúde

Nos últimos dias, a área técnica de Saúde da Confederação Nacional de Municípios (CNM) vem recebendo ligações a respeito de dúvidas por conta da Portaria 1.546 da Secretaria de Atenção Especializada à